Blog do EMI


Projeto Ensino Médio Integrado

                                          GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

REGIÃO SERRANA III – C. E. D. PEDRO II

 

 

 

 

 

PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO MÉDIO INTEGRADO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apresentação

 

Reconhecendo a necessidade de se buscar alternativas pedagógicas aos modelos de formação em nível médio diante das transformações e demandas da realidade contemporânea e, tendo em vista ajustar as condições de preparação para o exercício de profissões técnicas em consonância com as necessidades do mundo do trabalho o Ministério da Educação desenvolveu nova modalidade de  formação profissional em nível médio. A proposta consolidada no decreto 5154, de 23 de julho de 2004, institui a modalidade de ENSINO MÉDIO INTEGRADO.

A proposta do ensino médio integrado à formação profissional está estruturada a partir de três princípios, ciência, cultura e trabalho, tendo o trabalho como princípio organizativo do currículo.

Em acordo com MEC, a Secretaria de Educação do Rio de Janeiro adere a proposta do Médio Integrado e fomenta a criação de cursos nesta modalidade. Nessa oportunidade o Colégio Estadual Dom Pedro II resolve então implementar tal iniciativa, optando pela formação técnica no campo da Comunicação. Tal iniciativa considerou o fato de na cidade existir substantivo mercado audiovisual. 

Assim, o presente documento refere-se ao Projeto Pedagógico do Curso Integrado de Formação Profissional Técnica de Nível Médio em Comunicação Social com ênfase em Rádio e TV e está organizado da seguinte forma:

Parte I – Marco referencial: Princípios, Justificativa e Objetivos;

Parte II – Requisitos de acesso;

Parte III – Perfil profissional de conclusão;

Parte IV – Organização curricular;

Parte V – Critérios de aproveitamento de conhecimentos e experiências anteriores;

Parte VI – Critérios de avaliação;

Parte VII – Instalações e equipamentos;

Parte VIII – Pessoal docente e técnico.

PARTE I: MARCO REFERENCIAL

 

Para conceber os fundamentos do curso, buscamos definir nossa visão sobre o mundo contemporâneo, sobre a dinâmica da produção da cultura e suas relações com a comunicação, e sobre o papel da educação, em especial da formação para o mundo do trabalho nesse contexto.

Estamos vivendo um fluxo de transformações nas sociedades contemporâneas cada vez mais imperativo para as formas de sociabilidade, a produção e distribuição de bens e o arranjo das forças políticas. Configura-se uma sociedade global, erguida sobre sistemas integrados de comunicação e informação, desterritorializando coisas, gentes e idéias. A Globalização, como processo político-econômico e societário, expressa um novo ciclo de expansão do capital de alcance mundial sob o domínio do modelo neoliberal de desenvolvimento, que integra os mercados e acirra a competitividade, flexibiliza a produção e as relações de trabalho, aumenta a concentração do capital.

As velhas formas de ocupação do espaço e organização do poder cedem lugar a uma nova geopolítica. Os fluxos migratórios, os movimentos sociais e a circulação de bens culturais em dimensão global impõem a constituição de uma identidade supranacional. (Re)configura-se o mundo da cultura, sob os domínios da mass mídia. Podemos observar uma tendência à hibridização dos saberes e criação de tecnologias combinadas, em busca de compreensão e atuação mais ampliada e útil sobre a realidade.

Novas formas culturais se contrapõem a tradições seculares. Uma enorme diversidade de motivações, valores e projetos coloca em confronto diferentes grupos. As guerras e os conflitos urbanos relativizam as verdades, questionam os estatutos. Vivemos um processo contínuo de rupturas, fragmentações e descontinuidades tão intensas que atingem e alteram algumas das dimensões mais subjetivas da nossa existência cotidiana.

Nesse contexto, a produção de conhecimento e as novas tecnologias alcançam uma dimensão estratégica. Mais que capital principal das grandes corporações, são hoje fonte de riqueza ou pobreza dos povos, de desenvolvimento ou atraso para as nações. Afinal, além de reforçar a dialética capital e trabalho, remete a revisão do problema clássico da contradição sociedade e natureza.

As sociedades contemporâneas são, portanto, sociedades marcadas pela interconexão e mudança constantes, rápidas e avassaladoras.  E, à medida que diferentes campos, organismos e sujeitos são postos em intenso estado de confronto e incerteza, coloca-se em pauta questões bastante significativas de natureza ética, política e epistemológica que exigem novos processos cognitivos, sociais e culturais que permitam dar conta da complexidade e transitoriedade desses nossos novos tempos(MORIN, 2002)

Em um contexto de globalização econômica e sócio-cultural, de avanços tecnológicos e de transformações no mundo do trabalho, surgem novas exigências para a formação dos profissionais em decorrência da velocidade das mudanças, da provisoriedade dos saberes e das contínuas e imprevisíveis demandas oriundas das situações concretas de trabalho. Articular teoria e prática; acessar, processar e gerenciar as informações que provêem de diferentes fontes; integrar os saberes científico-tecnológicos, os conhecimentos específicos da formação profissional e os saberes tácitos advindos das práticas sociais e da experiência profissional são os novos desafios a serem enfrentados para atuar no mundo do trabalho. Competências intelectuais, organizacionais, comunicativas, sociais e gerenciais são exigências postas aos profissionais neste novo contexto.

A realidade contemporânea exige novas posturas e competências dos sujeitos em relação aos processos e produtos de comunicação. Enquanto consumidores, reclama o desenvolvimento de competências voltadas para a leitura crítica e o uso ético e “competente” de produtos de comunicação. Enquanto produtores/ empreendedores demanda-se a competência de gestão de processos comunicativos.

 

  1.  

    1. Princípios orientadores do Curso

 

Toda prática educativa é orientada por princípios mais ou menos conscientes. Tanto mais efetivo pode ser o projeto pedagógico, quanto mais conscientes estiverem os princípios que o orientam, posto que assim mais assertivas sejam as ações que o implementam. Assim, considerando as diferentes dimensões da formação, destacamos alguns princípios que orientam este projeto e indicam a amplitude do processo de formação profissional, por nós assumida.

 

              Sinergia na educação para, com e pelos meios

A incorporação da comunicação como metodologia pedagógica pode dar-se a partir de três linhas de ação:

  • a “educação para os meios” (a reflexão sobre os processos e os conteúdos da mídia, com o objetivo de formar espectadores mais críticos);
  • a educação com os meios” (o uso didático de recursos de mídia, para qualificar os processos ensino-aprendizagem) e
  • a “educação através dos meios” (a produção de produtos audiovisuais por crianças e adolescentes em processos pedagógicos).

 

        Consideradas as necessidades de formação da atualidade e o rápido avanço tecnológico, é preciso superar a mera apropriação dos produtos de comunicação e assumir uma postura mais protagônica de quem cria e produz, de quem toma a comunicação como processo de construção de novos saberes e práticas. Assim, consideramos fundamental fazer convergir diferentes metodologias no processo de formação e no desenvolvimento de ações em comunicação, com ênfase no fazer comunicação.

 

              Convergência de diferentes saberes, linguagens, tecnologias e ações

Na contemporaneidade o movimento outrora analítico, de quem parte/divide para melhor compreender e intervir no mundo tem sido progressivamente substituído por tendências sincréticas, interdisciplinares. Nesse sentido, estaremos buscando a convergência de conhecimentos, linguagens, tecnologias e ações.

 

  • Aprender fazendo

A aprendizagem significativa é aquela que é fruto do entrelaçamento dos sujeitos – de seus saberes e experiências. Ela não é significativa, por si só, mas torna-se significativa pela ação. É no enfrentamento dos problemas/desafios que desenvolvemos novas competências, idéias. Assim, estaremos buscando aprender fazendo, alunos e professores.

              Movimento diacrônico envolvendo prática e reflexão crítica

Assumir criticamente que os saberes e as práticas existentes são temporários e se constituem como tais como resultados do devir histórico, devendo por isto mesmo ser objetos constantes de análise. Análise que só ganha sentido, no entanto, se remete a novos conhecimentos e práticas, num fluxo permanente e consciente de renovação.

              Pluralidade cultural e Ética

Remete a reconhecer e valorizar a diversidade étnica, religiosa, sexual, etc.. e a assumir uma responsabilidade ética na dinâmica de desenvolvimento histórico da humanidade, tendo em vista a construção de uma sociedade mais inclusiva, justa e solidária.

 

  • Dialogicidade e Trabalho coletivo

Envolve buscar a construção de novos modelos de sociabilidade e trabalho que, na contramão do individualismo e da competitividade exacerbados, valorizem o diálogo, a cooperação e o espírito de equipe, entre docentes e discentes e entre os diferentes grupos de trabalho. Exercício cotidiano de formação para a cidadania tendo em vista o bem da coletividade. Coletividade que ultrapassa a turma, o curso, a escola e alcança a própria comunidade.

 

1.2.  Justificativa

A cidade de Petrópolis passou por severa crise econômica na década de 80/90 e, no momento, encontra-se em retomada do crescimento. 

Embora, atualmente a cidade tenha como centro econômico as atividades turísticas e de confecção, sucessivos governos e mesmo o empresariado/comunidade local tem buscado desenvolver projetos que ampliem suas oportunidades de negócios e trabalho. Há grande preocupação com a capacidade que a cidade tem em absorver a mão de obra das novas gerações. 

Agregado a esse movimento econômico e, talvez em resposta a ele, observamos grande expansão do ensino superior na cidade. A cada ano novos cursos são abertos e convênios/parcerias com instituições de renome no Estado do Rio e fora dele têm sido estabelecidas.

Apesar de constituir-se em cidade de médio porte, reúne grande número de organizações de comunicação (produtoras, canais de tv e emissoras de rádio). Talvez isso já seja um sinal de uma nova tendência, ou seja, a de expansão/crescimento econômico.  

Todo esse quadro aponta para um contexto favorável que se coloca como oportunidade para a implementação de um curso como o proposto neste projeto.

 

1.3. Objetivos

O Curso de Comunicação Social do Colégio Dom Pedro II tem por objetivo geral a formação de profissionais autônomos, éticos e cooperativos, capazes de pensar, investigar, decidir, planejar, realizar e avaliar ações de comunicação em várias instâncias e níveis.

              Para tal, será desenvolvido um currículo que possibilite aos alunos e professores:

              Compreender o contexto econômico, político, social e cultural da sociedade brasileira, tendo em vista uma atuação profissional crítica e ética;

              Compreender a dinâmica da comunicação na contemporaneidade, “habituando-se a buscar, conviver com a inovação e a participar direta e ativamente da redefinição de conceitos, princípios, meios, padrões e processos de comunicação”;

              Desenvolver aptidões para a vida produtiva, relacionadas ao exercício profissional da área de Comunicação;

              Aprofundar conhecimentos e vivências necessárias à criação, planejamento, execução, gestão e avaliação de projetos de comunicação desenvolvidos em rádio e tv;

  • Usar de forma eficiente, convergente e criativa as diferentes linguagens e tecnologias na promoção de ações de comunicação em rádio e tv.

No entanto, nosso compromisso não é apenas com o curso de Comunicação Social, mas com toda a escola. Por isso, para além da formação profissional dos alunos imediatamente vinculados ao curso, esperamos que o projeto possa mobilizar toda a escola, promovendo uma reformulação nas práticas e nas relações pedagógicas de modo a :

              Potencializar o desenvolvimento da consciência pessoal e social, e da competência comunicativa e criativa de alunos e professores;

              Promover o empoderamento e o empreendedorismo/a iniciativa na solução de problemas, através da gestão democrática da comunicação.

 

II. REQUISITOS DE ACESSO

 

              O acesso ao Curso Médio Integrado em Comunicação Social, na área TV e rádio, dar-se-á da seguinte forma:

 

1º) oferta de vagas para os alunos que freqüentam a 8ª série do Ensino Fundamental nesta Unidade Escolar e não apresentam dependência a ser cumprida em qualquer disciplina;

2º) caso a oferta de vagas seja menor que a demanda, o critério para seleção será:

  • Definido em conselho de classe no 3º bimestre o aluno que apresentar um envolvimento e um comprometimento mais significativo na construção de seu conhecimento, ou seja, ele deverá demonstrar capacidade de pensar, indagar-se e de indagar, de duvidar, de ser criativo, responsável e crítico.
  • Em caso de empate ficará o aluno que obtiver melhor desempenho na média de todas as disciplinas;

3º) na 1ª semana de aula será desenvolvido por todos os professores, palestras, visitas técnicas em laboratórios e outros meios, apresentação dos objetivos do curso, sua importância, as disciplinas que serão oferecidas, enfim toda a sua estrutura e dinâmica. Somente após esta etapa será efetuada a matrícula definitiva mediante requerimento próprio, assinado pelo responsável ou pelo aluno, se maior de idade, e encaminhado à direção do Colégio Estadual D.Pedro II, com os seguintes documentos:

  • 3 fotos 3X4;
  • comprovante de residência (xérox);
  • certidão de nascimento ou casamento (xérox);
  • C.P.F. e/ou C.I. caso tenha (xérox);
  • atestado médico, especificando o tipo sanguíneo;
  • comprovante de escolaridade de conclusão do curso de Ensino Fundamental.

 

 

III – PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

 

De acordo com os Referenciais Curriculares nacionais de educação profissional na área de Comunicação Social, essa área caracteriza-se “da produção, da armazenagem e da difusão ou da distribuição, em multimeios ou multimídia, de informações, idéias e de entretenimento”.

Assim, o Curso Médio Integrado do Colégio Dom Pedro II, em consonância com as diretrizes, pretende formar o Técnico em Comunicação Social”, profissional habilitado a atuar como:

              Assistente em equipe técnica nas diferentes etapas de desenvolvimento de produtos de comunicação audiovisual (pré-produção, captação de áudio e vídeo, edição, e operacionalização de planos de distribuição);

              Colaborador no planejamento e gestão de projetos de comunicação institucional;

              Produtor autônomo de projetos/produtos de comunicação.

 

Espera-se que esse profissional esteja apto a mobilizar os seus recursos pessoais e os próprios da comunicação para processar diferentes linguagens, produzir e veicular informações, manusear e operar equipamentos, transmitir/reelaborar cultura, desenvolver relações e processos de trabalho mais cooperativos, produtivos e criativos, e assumir posicionamentos éticos em quaisquer  áreas de sua atuação profissional/social. Assim, enquanto trabalhador e cidadão do mundo contemporâneo, devendo: saber pensar, escutar e refletir sobre o contexto em que vive, ter iniciativa para resolver problemas, usando novas tecnologias e linguagens em sintonia com o dinamismo da realidade social, orientando-se sempre para a construção de uma sociedade democrática.

 

 

PARTE IV: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

 

O Projeto Pedagógico do Curso, fruto de discussões coletivas, procurou contemplar os aspectos legais e as normas vigentes para a área. No entanto, considera-se que a presente proposta curricular é documento provisório que, embora funde as bases do projeto pedagógico do curso, deverá ser continuamente avaliada, a partir da reconstrução dos saberes e práticas coletivas, tendo em vista seu permanente aperfeiçoamento diante dos avanços no campo da comunicação e da educação, e procurando atender as demandas sociais.

De acordo com os referenciais curriculares para a educação profissional na área de comunicação a formação nesse campo funda suas bases instrumentais na área de Linguagens e Códigos, tendo em vista que sua principal ferramenta são os princípios estéticos das técnicas e competências desenvolvidas no estudo e no uso fluente da língua. No entanto, prescinde do crivo ético a partir da contribuição das Ciências Humanas e Sociais e dos conceitos que permitem o uso competente dos aparatos tecnológicos, contribuição das Ciências da Natureza. Assim, a matriz curricular do curso foi delineada de modo a integrar a formação geral e profissional, superando o velho dualismo teoria/prática e considerando o parágrafo 2º do inciso III do artigo 4º, Decreto 5154/2004, segundo o qual o cumprimento das finalidades estabelecidas para a formação geral e as condições preparação para o exercício de profissões técnicas exige a ampliação da carga horária total do curso, afim de assegurar a qualidade de sua proposta inicial.

 

 

4.1. Matriz Curricular

 

Conforme determinação legal, nossa proposta curricular é composta por três conjuntos de componentes: Base Nacional Comum, Parte Diversificada e os Específicos da Área Profissional.

Além desses três conjuntos, propomos a inserção de atividades complementares com o objetivo de ampliar a bagagem cultural dos alunos, e, embora não conste como exigência legal, a fim de complementar a formação profissional do aluno estaremos organizando um conjunto de vivências profissionais em organizações/empresas reconhecidas no mercado.

 

  1. Base Nacional Comum

Compreende o conjunto das disciplinas regulares do ensino médio, com ênfase em conteúdos/abordagens no campo da comunicação social. São elas:

ÁREA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

  • Língua Portuguesa
  • Artes
  • Educação Física

ÁREA DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

  • Matemática
  • Biologia
  • Física
  • Química

ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS

  • História
  • Geografia

              Sociologia

  • Filosofia

 

  1. Parte Diversificada

   A Parte Diversificada será constituída por conteúdos complementares, tanto de caráter geral como profissional. Esses conteúdos serão definidos conforme a orientação do Projeto-político-pedagógico, estabelecido pelo Colégio. Essa definição ocorrerá anualmente e poderá ser desenvolvida sob a forma disciplinar ou orientada para a realização projetos e/ou vivências “sócio-cultural ou de iniciação científica” e “civil” conforme itens IV e V do artigo 5º da Resolução CNE/CEB  nº1 de 2004.

Neste momento, de acordo com a política educacional do estado do Rio de Janeiro, estaremos trabalhando com disciplinas já oferecidas pela rede:

  • Língua Estrangeira
  • Atividade Complementar: Comunicação Crítica

 

    C –  Componentes Específicos da Área Profissional

         Pode-se dizer que tradicionalmente a organização curricular de um curso profissionalizante tem se constituído como parte de um modelo disciplinar e como tal, num conjunto de disciplinas teóricas, mais ou menos articuladas a atividades de prática profissional. A organização disciplinar do conhecimento escolar privilegia a abordagem teórica muitas vezes desvalorizando o conhecimento prévio dos alunos e provocando distanciamento entre saberes escolares e as necessidades/questões objetivas que se colocam para os alunos e professores. Além disso, acaba por forjar uma estrutura inflexível que dificulta a realização de outras atividades que não a aula tradicional. Buscando superar, assim, os limites da abordagem disciplinar vemos a emergência de novas propostas de organização do currículo, dentre elas a pedagogia por projetos.

      Com a abordagem de projetos, o currículo passa a ser constituído sob novas formas de trabalho, onde diferentes saberes e ações se articulam na solução de um problema/desenvolvimento de ação. Nesta proposta dissolvem-se os princípios de territorialidade e linearidade do conhecimento, pois, a transferência e a integração dos conhecimentos se fazem a partir do desenvolvimento de determinadas habilidades e atitudes.

Embora implique em uma nova visão e em um rearranjo dos componentes fundamentais clássicos da situação educativa (educando, educador, fins, conteúdos e estratégias), não implica em desvalorização dos processos de transmissão e produção de conhecimento. Afinal, em seus múltiplos significados, Perrenoud (1999) define competência como “uma capacidade de agir eficazmente em um determinado tipo de situação, apoiado em conhecimentos, mas sem limitar-se a eles”.  Esta proposta desloca a ênfase no saber para o saber fazer, o agir. Assim, o conhecimento é meio e não fim do processo educativo. E, portanto, as competências referem-se não apenas a processos fundamentais do pensamento, mas englobam também interações sociais, afetivas, culturais e psicomotoras entre alunos, educadores e a realidade em seu meio ambiente.

Considerando que são muitos os desafios que se colocam para aqueles que almejam desenvolver atividade laboral no campo da comunicação, compreendemos que formação desse profissional pode e deve ser organizada em torno de projetos de trabalho. Essa perspectiva permitirá ultrapassar a cisão entre a teoria e a prática, razão e emoção, sujeito e objeto na formação, superando o modelo instrumental vigente. Com isso, estamos buscando também uma reflexão mais aprofundada da realidade, uma vez que a formação técnica acontece de forma ampliada na ação e sobre a ação contextualizada.

              Desse modo, estruturamos o núcleo de formação profissional em disciplinas que convergem conteúdos, habilidades e atitudes profissionais para o desenvolvimento de produtos em oficinas de trabalho. Constituem um conjunto de atividades teóricas e práticas em torno de projetos semestrais, de modo a levar o aluno a apropriar-se de saberes e práticas/técnicas específicas das diferentes etapas e dimensões da produção em rádio/vídeo e a desenvolver produtos em diferentes estilos/gêneros.  Esses produtos irão sustentar a programação da “Rádio Escolar” e da “TV Corredor” (programas permanentes de exibição de produtos produzidos pelos alunos).

São elas:

  • Psicologia
  • Informática
  • Produção Textual
  • Artes Visuais
  • Oficina de Rádio
  • Oficina de Vídeo

 

Apesar de, de alguma forma, se preservar a estrutura disciplinar de organização do conhecimento e das práticas, é importante destacar que, ao longo de todo o curso, a distribuição dos saberes e competências necessários à formação foi organizada prevendo a articulação necessária para o desenvolvimento dos projetos. Assim, os conteúdos relativos à Base Comum ou Diversificada, estarão em sinergia com a formação profissional (ainda em elaboração, vide documento de trrabalho de “Matriz dos Projetos” em anexo).

 

  1. Atividades Complementares

Tendo em vista ampliar a bagagem cultural dos alunos, consideramos importante incluir no quadro de atividades regulares do curso visitas a centros culturais, cinemas, teatros, exposições, mostras, palestras, mini-cursos, assim como a participação dos alunos na coordenação de “Rádio Escolar” e “TV Corredor” articulando a produção de alunos e professores, elaborando programação e monitorando a veiculação dos produtos. Essas atividades são inseridas no calendário do curso semestralmente e oferecidas aos alunos em uma agenda mensal, sempre que possível articuladas aos projetos em desenvolvimento.

 

  1. Vivência Profissional

Compreende conjunto de ações que permitam aproximar os alunos da vivência profissional no campo, a partir de visitas, experiências e projetos desenvolvidos em parceria com organizações/empresas de comunicação.  As ações serão fruto da articulação direta de professor responsável e profissional competente. Farão parte do planejamento pedagógico anual e/ou semestral e envolverão tarefas como relatórios de observação, entrevistas, etc. que serão objeto de avaliação.

Os objetivos das vivências profissionais são:

              Incrementar o acesso dos alunos ao mercado de trabalho.

              Formar parcerias objetivando, através da prática, melhorar a qualificação profissional dos alunos.

              Manter diálogo com o meio empresarial, recolhendo informações sobre suas reais necessidades, a fim de manter o curso em sintonia com o mercado de trabalho, consolidando a integração Escola-Empresa.

 

Finalmente, é importante destacar que a produção do conhecimento ao longo do curso deverá estar em consonância com as realidades em que os alunos estão inseridos, de modo a significar suas aprendizagens, mas também fomentar sua autonomia. Assim, a partir do trabalho pedagógico desenvolvido no curso, estaremos buscando estimular que os alunos construam seu plano de atividades e  conhecimentos, buscando caminhos que favoreçam a sua formação profissional e cidadã.

 

4.2. Componentes curriculares e carga horária

 

 

 

NOME DAS DISCIPLINAS


Série


Série


Série

CONTEÚDOS ESPECÍFICOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

 

ÁREA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

                     BASE   NACIONAL COMUM

LÍNGUA PORTUGUESA

6

6

6

Destaque para a teoria da comunicação, lingüística, linguagem audiovisual, diferença entre texto oral e escrito, articulação texto/imagem, gêneros e estilos de textos radiofônico e televisivo/cinematográfico.

ARTES

 

   2

 

Estética teatral, dramatizações, cenografia. Experimentações.

EDUCAÇÃO
FÍSICA

2

 

 

Destaque para expressão corporal, linguagem corporal

ÁREA DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA,
MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

MATEMÁTICA

3

3

4

Destaque para estimativa de custos e previsão orçamentária.

BIOLOGIA

2

2

2

Destaque para a convergência tecnológica no campo das biotecnologias aplicas às Comunicações.

FÍSICA

3

3

2

Destaque para experimentações no campo da óptica,   ondas, ccc e eletrônica.

QUÍMICA

2

2

2

Destaque para experimentações em fotografia.

ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS

HISTÓRIA

2

2

2

Destaques para História da Comunicação, História do Audiovisual.

GEOGRAFIA

2

2

2

Destaque para discussão sobre Espaço e Globalização na Sociedade Tecnocomunicacional, Espacialidade, hibridismo cultural e mediação tecnológica, e Geopolítica das tecnologias  das comunicações.

SOCIOLOGIA

 

2

 

Comunicação e sociedade, Indústria cultural, comunicação de massa. A cultura como interface: os novos processos de individuação e virtualização. Comunicação e Cidadania.

FILOSOFIA

2

 

 

Filosofia da Linguagem: natureza dos fenômenos lingüísticos, pensamento e linguagem, o problema do significado. Ética profissional.

         PARTE DIVERSIFICADA

ÁREA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

LÍNGUA
INGLESA

2

2

2

Inglês instrumental (termos técnicos)

 

ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS

ATIVIDADE COMPLEMENTAR: COMUNICAÇÃO CRÍTICA

1

1

1

A imagem em suas dimensões técnicas, discursivas, cognitivas e afetivas. Análise das alterações provocadas pelas novas tecnologias da imagem, em particular a realidade virtual e a multimídia, sobre os sistemas comunicacionais. Leitura crítica de produtos audio-visuais em diferentes gêneros e plataformas.

            ESPECÍFICOS DA ÁREA PROFISSIONAL

PROJETOS DE TRABALHO

PRODUÇÃO TEXTUAL

1

1

1

Análise e redação de textos técnicos / roteiros

INFORMÁTICA

2

2

2

Manuseio de plataformas/softwares específicos

PSICOLOGIA

 

 

2

Subjetividade, identidade e virtualidade.  Comunicação interpessoal, Gestão de pessoas. Dinâmicas de grupos.

ARTES VISUAIS

2

 

2

História da arte, análise estética da imagem, fotografia, quadrinhos, animação, programação visual. Experimentação.

OFICINA DE RÁDIO

3

3

1

Conjunto de atividades teóricas e práticas em torno de projetos de trabalho desenvolvidos semestrais, de modo a levar os alunos a apropriar-se de saberes e práticas/técnicas específicas das diferentes etapas e dimensões da  produção em rádio e a desenvolver produtos em diferentes estilos/gêneros que sustentariam a programação da “Rádio escolar”. 

OFICINA DE VÍDEO

5

5

5

Conjunto de atividades teóricas e práticas em torno de projetos de trabalho semestrais, de modo a levar os alunos a apropriar-se de saberes e práticas/técnicas específicas das diferentes etapas e dimensões da  produção em vídeo e a desenvolver produtos em diferentes estilos/gêneros que sustentariam a programação da “TV Corredor” (programa permanente de exibição de produtos produzidos pelos alunos). 

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

 

Visitas a centros culturais, cinemas, teatros, exposições, mostras.

Coordenação de “Rádio Escolar” e “TV Corredor” articulando a produção de alunos e professores,  elaborando programação e monitorando a veiculação dos produtos.

VIVÊNCIAS PROFISSIONAIS

Visitas, atividades, participação em projetos em estações de rádio, produtoras de vídeo, canais de televisão, etc.

 

CARGA HORÁRIA

1º ano: 1600 horas/aula

2º ano: 1520 horas/aula

3º ano: 1440 horas/aula

TOTAL: 4560 horas/aula

 

1º ano: 1334 horas

2º ano: 1266 horas

3º ano: 1200 horas

TOTAL: 3800 horas

 

 

 

 

  1.  
    1. Os Eixos Temáticos e a Interdisciplinaridade

Um dos princípios do Curso é a convergência de saberes e práticas. Nesse sentido, procurou-se uma articulação maior entre os conteúdos das diferentes áreas, o que permite ao aluno a ampliação da abordagem de conceitos/temas, favorecendo o alcance das competências profissionais desejadas.

Uma das estratégias para essa integração foi a definição de eixos temáticos para o desenvolvimento do curso, a saber:

                   Situação Comunicativa

A compreensão da comunicação humana exige identificar os elementos e processos que a constituem e suas interrelações com os diferentes contextos onde se dão as situações de comunicação.

  • Linguagem

Diferentes mídias trabalham com linguagens próprias, que embora se conectem guardam especificidades. Trabalhar com essas mídias exige comunicar-se utilizando vocabulário técnico específico.

  • Mediação tecnológica

Os processos de comunicação têm sido mediados por novas tecnologias. Esses novos meios provocam a reelaboração das formas de organização da língua e das linguagens, do pensamento e da expressão.

  • Cultura Midiática

As novas tecnologias da comunicação imprimem novos modos de produção de sentidos, de formação da subjetividade e de sociabilidade no mundo contemporâneo, o que acaba por conformar uma cultura midiática.

              Gestão da Comunicação

Numa sociedade onde as tecnologias e linguagens da comunicação têm papel tão significativo em todas as esferas da vida, é necessário desenvolver competências relativas a gestão dos processos comunicacionais, de modo competente e ético.

 

A definição de Eixos Temáticos permite orientar a abordagem de conteúdos e as práticas a partir de núcleos conceituais comuns, evidenciando objetivos comuns e pontos de articulação entre as disciplinas.(ainda em elaboração, ver documento de trabalho “Matriz Curricular por Eixos Temáticos” em anexo)

 

V – Critérios de aproveitamento de conhecimentos e experiências anteriores

 

              De acordo com o parecer CNE – 39/04, o aproveitamento de estudos não pode ser feito de ensino médio para ensino técnico de nível médio, por possuírem natureza diversa. Do ensino profissional para o ensino médio prevê-se a possibilidade de aproveitamento apenas das disciplinas da base nacional comum.

 

VI – Critérios de avaliação

 

              Em consonância com a portaria E/SAPP no 48/2004 de 02/12/2004, a avaliação do desempenho escolar tem o caráter diagnóstico, reflexivo e inclusivo, devendo oferecer suporte para o re-planejamento do trabalho pedagógico, a partir da identificação dos avanços e dificuldades apresentados pelo aluno.

Assim, no Curso Médio Integrado, como nos outros cursos desta Unidade Escolar, deverão ser utilizados no mínimo 3 (três) instrumentos avaliativos diferenciados, nas avaliações bimestrais.

              Para registrar o desempenho do aluno será utilizada escala de 0 a 10 pontos. Será promovido à série seguinte o aluno, cujo somatório das avaliações dos quatro bimestres totalize, no mínimo, 20 (vinte) pontos.

              Considerando que a parte referente aos conteúdos e habilidades específicas, da área profissional, será desenvolvida a partir de Projetos de Trabalho, a avaliação das disciplinas técnicas deverá incluir obrigatoriamente relatório anual relativo ao desempenho dos alunos.

              A avaliação dos alunos com necessidades educacionais especiais deve levar em conta as potencialidades e possibilidades de cada indivíduo. O professor deverá realizar adaptações curriculares, utilizando recursos didáticos diversificados e processos de avaliação adequados ao desenvolvimento dos alunos com necessidades educacionais especiais, em consonância com o Projeto Pedagógico da escola, respeitada a freqüência obrigatória.

 

 

 

6.1. DA RECUPERAÇÃO

 

              No Ensino Médio Integrado em Comunicação Social, os estudos de recuperação simultânea serão oferecidos sempre que o aluno apresentar dificuldades no processo de aprendizagem ou menos de 5 (cinco) pontos no bimestre. Os estudos de recuperação da aprendizagem serão realizados utilizando-se as seguintes estratégias de acordo com a disponibilidade da escola:

 

I – atividades diversificadas oferecidas durante a aula;

II – atividades em horário complementar na própria escola;

III – plano de trabalho organizado pelo professor para estudo independente por parte do aluno.

             

              Nos casos dos incisos I e II, admite-se o sistema de monitoria, sob a supervisão do professor, que poderá ser realizada por alunos da mesma turma ou de módulos mais adiantados. Poder-se-á também ser utilizada a participação de alunos de cursos de nível superior que estejam desenvolvendo Estágio no Colégio.

O Colégio, sempre que possível, dependendo da disponibilidade de monitores e/ou estagiários, organizará grupos para o aprofundamento de estudos em horário diferente das aulas regulares dos alunos.

No processo de recuperação o aluno será reavaliado e, somente quando constatado seu progresso, deverá ocorrer à respectiva mudança do resultado. O resultado da recuperação substituirá o anterior.

 

6.2. DA PROGRESSÃO PARCIAL

 

              A progressão parcial, sob a forma de dependência, é admitida no Ensino Médio Integrado em Comunicação Social, em até duas disciplinas, apenas para as disciplinas da base nacional comum e parte diversificada, através das seguintes acumulações:

 

I – em disciplinas diferentes da mesma série;

II – em disciplinas diferentes em séries distintas;

III – na mesma disciplina em séries diferentes.

              Neste caso, o aluno só poderá cursar nova (s) dependência (s) quando for aprovado na (s) anterior (es).

              Considerando que os componentes específicos da área formação profissional serão desenvolvidos a partir de Projetos de Trabalho, o planejamento e os procedimentos da progressão parcial para as disciplinas técnicas específicas deverão ser resultado de discussão no Conselho de Classe.

              Em caso de reprovação o professor da respectiva disciplina apresentará relatório sobre o desempenho do aluno, especificando os conhecimentos que não foram construídos, com vistas à elaboração de um plano de estudos.

 

 

VII – Instalações e equipamentos

 

Foi feita previsão orçamentária para compra de equipamentos e adaptações das instalações da escola tendo em vista a constituição de: um laboratório, um estúdio de tv (com set e uma ilha de edição avançada), um estúdio de rádio, um arquivo, uma sala de vídeo/projeção e uma sala de estudos/descanso.

             

7.1 Laboratório

 

20 Computadores Processador Pentium E2140, 1.60 GHz,Dual Core, FSB 800, Socket LGA, 1MB L2 Cache, HD 80 ou 120 Gb, mouse óptico , monitor LCD 15” (baixo consumo de energia) gravador DVD

 

7.2 Estúdio de TV

 

Área Prevista: 50m2

 

Iluminação Especial: Lâmpadas, calhas, suportes, bocais, cabos, conectores, caixas de distribuição, disjuntores.

                                 

Ilha de Edição:   01 Player Mini DV AG DV – 1000

03 computador PC – 3.2GHz, 2 Gb memória RAM, 250 Gb HD (com placa de vídeo para captura de imagens e para fazer edição e mixagem de imagens)

              03 monitores de TV de 17

              01 nobreak

              Cabos de vídeo, conectores, suportes, caixas de distribuição de vídeo

              01 mesa de áudio

              Cabos, conectores, suportes, caixas de conexão de áudio

                           01 HD externo 320 GB saída Firewire

              01 gravador de DVD

              02 aparelhos de DVD

Softwares:         Adobe Premiere

                          Adobe After Efects

 

Equipamentos de gravação:

                           02 microfones de lapela

              02 microfones de mão

              01 kit boom

              01 Compressor Limitador de Som

              03 câmeras AG DVC -7- Mini – DV

                           03 tripés

 

Equipamentos fotográficos:

                           06 câmeras fotográficas digitais  6 mega pixels

Software:            Adobe Photoshop

 

Outros:               Blackout

              01 Ar condicionado – 30.000 BTU             

 

 

7. 3 Estúdio de Rádio

 

Área Prevista: 20m2

 

Adequação do ambiente:

Estrutura de madeira com isolamento acústico com projeto a ser cedido por profissional na área).

Material Fono-Absorvente (espuma especial), janela dupla, carpete, porta dupla (aquário) com vedação acústica própria.

 

Equipamentos:   02 DVD Player.

01 Computador 3GHz, 1 GHz, RAM, Placa de áudio Creative, 2 HD SATA 120 GHz.

(01 para geração de áudio e 01 para gravação).

01 Mesa de áudio – 24 canais.

02 Microfones.

01 Sistema completo de distribuição de áudio interno no Colégio (cabos, transformadores, caixas de som para 05 pontos diferentes de distribuição).

05 caixas.

01 Amplificador (200w RMS com saída para linha de 70V).

01 Compressor de Áudio (limitador). 

Cabos, conectores, suportes, caixas de conexão de áudio.

             

Outros:               Ar condicionado (10.000 BTU).

 

 

7.4. Arquivo

Área Prevista: 9m2

 

Equipamentos:

03 prateleiras (já temos)

01 arquivo (já temos)

01 mesa pequena (já temos)

20 DVD´s para Dvdteca

200 fitas Mini Dv

200 DVDs (com capa)

200 CDs (com capa)

 

 

7.5. Sala de Vídeo/Projeção/Exposições

 

Área Prevista: 60m2

 

Equipamentos:

01 Tv 29’

01 Datashow (já temos)

Um módulo móvel de madeira

                        

7.6. Sala de Estudos/Descanso

 

Área Prevista: 20m2

 

Equipamentos:

06 almofadas grandes

03 prateleiras

02 mesas 

 

 

 

VIII – Pessoal docente e técnico.

 

O corpo docente e técnico do Curso de Comunicação Social será organizado na forma de um colegiado. O colegiado tem por objetivo propiciar a oportunidade dos alunos e professores terem uma efetiva participação nas discussões e decisões relativas ao desenvolvimento do curso. O colegiado será composto por Coordenadores pedagógico e técnico do curso, Coordenador do ensino médio da escola, representantes de professores e de alunos. Para efetivação da participação dos professores serão realizadas reuniões quinzenais com a convocação de todo o corpo docente do curso. Para efetivação da participação dos alunos considera-se importante a criação de um Conselho de Alunos, composto por representantes de todas as turmas.

O Planejamento do Curso de Comunicação Social teve o cuidado de compor seu Corpo Docente com professores cuja capacidade profissional estivesse coerente com a proposta pedagógica idealizada. Para isso, foram alocados professores que, além da sua formação, demonstrassem interesse/experiência no campo da comunicação.  Consideramos que a formação continuada dos professores é condição sem a qual o curso não tem condições de atingir os parâmetros mínimos de qualidade desejáveis.

 

8.1. Plano de capacitação permanente e continuada para docentes

 

              O Colégio Estadual D.Pedro II propõe-se a capacitar permanente e de forma continuada os docentes que atuam no Curso Médio Integrado em Comunicação Social de acordo com a Lei nº 9394/96 em seus artigos 61, e inciso I e artigo 87 § 4º, que tem como fundamentos:

  • a associação entre teorias e práticas, inclusive mediante a capacitação em serviço (art. 61, inc.I);
  • somente serão admitidos professores habilitados em nível superior ou formados por treinamento em serviço.

 

Sob a coordenação da equipe pedagógica da escola, ou seja, Direção, Coordenação, Orientação Pedagógica e Educacional, está prevista a utilização dos seguintes procedimentos e estratégias:

  • promover encontros pedagógicos para troca de experiência e estudo de novas técnicas de aprendizagem;
  • visitas a empresas/organizações;
  • participação em cursos, seminários, congressos, na área de atuação do docente, para atualização constante, considerando a mutação científica e tecnológica contemporânea;
  • promover cursos específicos sobre o perfil profissional que se deseja formar;
  • participar de reuniões que envolva questões sobre o desenvolvimento de projetos,  avaliação; técnicas de aproveitamento de estudos, recuperação e aprovação.

 

 

 

REFERÊNCIAS

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo : Paz e Terra, 1996.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

PERRENOUD, P. Construir competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA. Educação profissional: referenciais curriculares nacionais da educação profissional de nível técnico. Área profissional: Comunicação.

 

 

 

 

 

 

COLÉGIO DOM PEDRO II      


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: